PUBLICIDADE
Topo

Como tornar a educação mais criativa

ECOA

19/02/2020 04h00

A criatividade é uma habilidade que pode ser desenvolvida em todas as áreas do conhecimento. O estímulo pode ocorrer a todo instante, no entanto, é preciso observar que à medida que os estudantes vão avançando nas séries, deixamos esse estímulo de lado para dar conta de conteúdos curriculares, e isso é um grande equívoco.

É preciso compreender que criatividade é uma competência socioemocional híbrida, sendo necessária o seu desenvolvimento na educação. 

Nos dias atuais, a criatividade é necessária para o processo de ensino aprendizagem, principalmente no mundo tecnológico, sendo necessário desmitificar o seu uso e demonstrar o seu potencial para alavancar a aprendizagem.

Em muitos países, a criatividade tornou-se currículo para tornar as aulas mais atrativas e explorar o potencial coletivo e individual dos estudantes, tendo o professor como um mediador, um parceiro na aprendizagem que planeja as atividades para o desenvolvimento desta competência.

E quais caminhos para levar a criatividade para a sala de aula?

Existem diversos caminhos para tornar a educação mais criativa, entre eles, a mudança de concepção no ensino, que passa, por maneiras diferenciadas de vivenciar e promover a aprendizagem. Confira abaixo alguns desses caminhos. 

Metodologias ativas

As metodologias ativas trabalham com soluções de problemas e com a colaboração, visando tirar o aluno da passividade e trazê-lo para o centro do processo de aprendizagem. Não necessariamente essa concepção irá trabalhar com o uso de tecnologias, porque a mudança está no foco da promoção de aprendizagem e na personalização de ensino. 

As modalidades diferem enquanto a estrutura e a abordagem, em que o ambiente propicia a colaboração e a participação, estimulando a criatividade e também a inventividade para resolver problemas, produzir conteúdo e ou protótipos no caso da robótica, participar de um debate, vencer etapas de um jogo, os alunos se envolvem com a construção das atividades, tornando-os pertencentes e aprendendo de maneira significativa. 

Entre as metodologias mais utilizadas estão a aprendizagem baseada em problemasproject based learning (PBL), que tem como propósito fazer com que os estudantes aprendam através da resolução colaborativa de desafios. Ao explorar soluções dentro de um contexto específico de aprendizado, que visa incentivar a habilidade de investigar, refletir e criar perante a uma situação. 

A sala de aula invertidaflipped classroom, tem como objetivo substituir a maioria das aulas expositivas por extensões da sala de aula em outros ambientes, como em casa, no transporte, trabalhando o conteúdo de maneira antecipada e utilizando o espaço da sala de aula para trabalhar o dialogismo.

E o ensino híbrido mescla diferentes maneiras de aprendizado como o off-line com o online e promove na sala de aula configurações diferenciadas de aprendizado, como: estações por rotações. 

Gamificação

A Gamiificação traz na sua essência a criatividade ao proporcionar aos estudantes a construção do lúdico para superar desafios, entre a sua prática está a utilização de jogos nas esferas plugadas e desplugadas que estimulam o aprendizado que é focado em ações interativas, através de práticas ludopedagógicas que visam trazer o lúdico para a construção de ações pedagógicas, trazendo interatividade e descobertas no processo de aprendizagem. 

O professor pode explorar qualquer área do conhecimento ao trabalhar com narrativas em formatos de jogos, como caça tesouro, que permite aos estudantes a usarem da criatividade e do conhecimento para participar. 

Cultura maker

A cultura maker vem a cada dia ganhando espaço na educação e seus benefícios são indiscutíveis. Sua filosofia está centrada no fazer com as mãos e permite uma gama de possibilidades para deixar a educação mais criativa, que visa trabalhar com resoluções de problemas a partir de atividades mão na massa. Entre as muitas possibilidades com o trabalho estão atividades de marcenaria, costura, bordado, programação e robótica.

São diversas possibilidades em conceber uma educação mais criativa, que está ligada diretamente na maneira de conceber o processo cognitivo, buscando trazer efetivação da aprendizagem, interatividade e protagonismo, aproximando mundo real e permitindo que professores e estudantes descubram uma maneira de, juntos, construir a cognição através da criatividade.

Um abraço

Sobre a Autora

Débora Garofalo é formada em Letras e Pedagogia e mestranda em Educação pela PUC-SP. Professora da rede pública de São Paulo, realizou trabalhos transdisciplinares envolvendo robótica com sucata e animações. Hoje é assessora especial de tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de SP. Foi vencedora do Prêmio Professores do Brasil na temática Especial Inovação na Educação e uma das dez finalistas do Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Sobre o Blog

Com foco em educação criativa, traz dicas e insights sobre como driblar obstáculos de falta de estrutura, tempo e material para encantar alunos e alunas na sala de aula.

Debora Garofalo